Três mitos sobre os catalisadores automotivos

Verdades e mentiras que envolvem o componente essencial para o controle de emissões tóxicas veiculares

Você já deve ter ouvido por aí: “Retire o catalisador que o carro anda mais”. Entenda o porquê você jamais deve fazer isso, além do que, o carro andaria menos.

Item obrigatório do sistema de exaustão de um automóvel desde 1997, o catalisador é uma espécie de cápsula que contém um substrato metálico ou cerâmico com elementos ativos, como os metais preciosos paládio, ródio e platina. Eles têm como função converter gases nocivos resultantes da combustão no motor, transformando-os em água, gás carbônico e nitrogênio. Mas até hoje muitas dúvidas sobre o item persistem junto aos motoristas. Veja alguns mitos e verdades a respeito do catalisador.

Os catalisadores garantem a eliminação de 98% dos gases poluentes que saem do motor

Verdade. O catalisador é capaz de converter até 98% dos gases poluentes, provenientes da combustão, como hidrocarbonetos (HC), monóxido de carbono (CO) e óxidos de nitrogênio (NOx) em substâncias inofensivas à saúde humana.

Luz da injeção eletrônica acesa no painel indica falha direta no catalisador

Mito. Se a luz da injeção eletrônica acender, representada pelo desenho de um motor amarelo, verifique não só problemas no sistema de escapamento, como o catalisador ou o sensor de oxigênio, conhecido também como Sonda Lambda, mas também no sistema de alimentação do motor, como estado das velas, cabos, bobinas, filtros e bicos injetores.

“Os veículos são dimensionados para utilizar o catalisador, que depende de outras peças para funcionar adequadamente”, explica Stephan Blumrich, vice-presidente da Umicore, empresa especializada em tecnologias para redução de emissões tóxicas. “É essencial realizar a correta manutenção e uma revisão a cada 10.000 km ou conforme descrito no manual do proprietário. O uso de combustível adulterado e óleos lubrificantes inadequados ou de má procedência, também são fatores que comprometem a eficiência e durabilidade do catalisador.”

Catalisadores - Caderno Garagem

Remover o catalisador aumenta a potência do veículo

Mito. Além de não deixar o carro mais eficaz, a remoção traz problemas ao veículo, como desregular o mapeamento da injeção eletrônica e a contrapressão do sistema de escapamento. Também poderá haver perda de rendimento do motor, gasto adicional de combustível, desgaste precoce de peças e excesso de ruídos.

E o impacto ambiental é brutal. A partir do momento em que o catalisador é retirado, os gases tóxicos não são convertidos e as emissões aumentam em cinco vezes.

Não é preciso fazer inspeção veicular se ela não é obrigatória

Mito. De tão importante, o catalisador deve aparecer entre os itens de inspeção e manutenção regular do veículo, uma vez que pode apresentar falhas e não funcionar corretamente, em virtude da má qualidade do combustível e da falha de outros componentes do sistema de ignição, por exemplo.

A vida útil do catalisador é de, no mínimo, 80.000 km e existem alguns cuidados para não comprometer sua durabilidade, como a atenção à qualidade do combustível e às revisões periódicas.