McLaren 765LT é, literalmente, uma pintura de superesportivo

A mais nova máquina tem motor 4.0 V8 de 765 cv, mas a marca se derrete mesmo pelas novas técnicas de pintar o carro

 

Sem títulos na Fórmula 1 desde 2008, a McLaren está gostando dessa história de produzir superesportivos de rua. A mais recente cria da montadora inglesa chama-se McLaren 765LT que, como o nome já anuncia, terá apenas 765 unidades numeradas e montadas manualmente. Seis delas virão para o Brasil.

Segundo a McLaren, o 765LT é o Long Tail mais extremo já concebido pela marca. O superesportivo é equipado com motor 4.0 V8 biturbo, de insanos 765 cv de potência e 81,5 kgfm de torque, usina de força que também se beneficia pelo baixo peso de 1.229 kg do carro. Assim, a aceleração de 0 a 100 km/h é completada em apenas 2,8 segundos e o 0 a 200 km/h acontece em 7 segundos. A velocidade máxima alcança 330 km/h.

O McLaren 765LT mede 4,60 metros de comprimento, 1,19 m de altura, 2,06 m de largura e 2,67 m de distância entre eixos. O departamento de engenharia da McLaren se empenhou para reduzir o peso em relação ao irmão 720S. O resultado foi um “emagrecimento” de 80 kg do 765LT.

A McLaren Special Operations (MSO) procura fazer cada detalhe de seus automóveis com esmero. Sob o lema de “sempre promover a arte do possível”, ela criou inovadoras técnicas de pintura que apresentam uma série de possibilidades de personalização.

A pintura, de fato, é um capítulo à parte para a McLaren, que explora muito essa característica no 765LT – muito mais até que a performance e a esportividade. O tema Strata revela um esquema de pintura gráfico exclusivo da “arte em movimento”, inspirado no horizonte de uma cidade e realizado em três cores. A técnica exige 390 horas de pintura e acabamento a mão.

O detalhamento do trabalho deixaria os pintores renascentistas boquiabertos. A cor de base laranja Strata Azores é fundida com vermelho Memphis e preto Cherry, com as duas cores de sobreposição percorrendo o esquema de pintura em direções opostas, para se encontrar e se fundir nos painéis das portas do 765LT. Até as pinças de freio fazem parte da mistura de cores: as dianteiras são pintadas em Vermelho Volcano e as traseiras em Laranja Azore.

Os projetistas às vezes gostam de “viajar” na explicação de seus inventos. Um segundo tema foi baseado no favo de mel e sua apresentação 3D é chamada de “Geohex”. Trata-se de uma mistura de Preto Tarmac e Tokyo Cyan (azul), com componentes de fibra de carbono visual da linha MSO.

Segundo a McLaren, um dos projetos mais cativantes do 765LT é um exemplar com carroceria totalmente em VCF (fibra de carbono visual), modelo de demonstração já produzido atendendo a consultas e pitacos de clientes.

Ele foi construído em fibra de carbono brilhante transparente para demonstrar a “pureza e a complexidade do alinhamento da trama”, como define a McLaren. A carroceria de fibra de carbono do 765LT está disponível em uma série de tonalidades sob medida, que podem variar dependendo das preferências – e dos caprichos – dos clientes.