Avaliação: Hyundai Creta Comfort 1.0

As aparências enganam: o SUV reestilizado é confortável e gostoso de dirigir

Hyundai Creta - Caderno Garagem

Não dá para ficar indiferente. Ao se deparar com o Hyundai Creta, reestilizado em agosto, o sentimento é de amor ou ódio. O responsável por essa ambiguidade é o design. Para muita gente, o SUV ficou mais feio e antiquado com os retoques visuais. Em resumo, mudou para pior. Para outros, como o manobrista do estacionamento, ele está “diferente”.

Essa sensação se reforça principalmente na traseira, com as lanternas divididas em duas seções e com design estranho, ao menos para o meu gosto: um filete horizontal em cima e uma parte maior, mais quadradona, embaixo. A fórmula se repete na dianteira, com os faróis fracionados em dois, ladeando a imensa grade do veículo, que parece um pouco fora de proporção.

Mas o Hyundai Creta não é apenas um rostinho esquisito. Tanto que, até outubro, ele era o terceiro utilitário esportivo mais vendido do país, com 52.622 unidades, atrás apenas da dupla Renegade e Compass, da Jeep. Perdoe-me o poeta Vinícius de Moraes, mas beleza nem sempre é fundamental.

Hyundai Creta - Caderno Garagem

GARAGEM avaliou a versão de entrada Comfort 1.0 Turbo, que custa R$ 116.890. Design à parte, o carro é muito bom. Com 4,30 metros de comprimento, 1,79 m de largura, 1,62 m de altura e 2,61 m de distância entre-eixos, o novo Creta é bem resolvido internamente, oferecendo espaço para cinco pessoas. O porta-malas de 422 litros está na média para um automóvel desse porte e acomoda bem a bagagem da família.

Um dos diferenciais do carro é o motor 1.0 turbo, de três cilindros – o 2.0 aspirado está presente apenas na versão topo de linha Ultimate. Ele entrega 120 cv de potência a 6.000 rpm e 17,5 kgfm de torque a 1.500 rpm.

Hyundai Creta - Caderno Garagem

Sincronizado com a transmissão automática de seis marchas, o 1.0 leva o Creta a 180 km/h e a acelerar de 0 a 100 km/h em 11,5 segundos. Segundo a Hyundai, o consumo é de 8,3 km/l na cidade e 8,7 km/l com etanol no tanque e 11,6 km/l e 12 km/l, respectivamente, quando está abastecido com gasolina. Em nossa avaliação, o Creta estava com etanol e registrou a média de 8,2 km/l.

Poderia ser mais econômico, levando-se em conta que apresenta rodagem bastante linear. As trocas de marcha são suaves e em nenhum momento ele “esgoela” ao encarar uma subida mais íngreme, como acontece com outros SUVs, que parecem cumprir penitência nas ladeiras. Tem também comportamento equilibrado nas curvas e não esmoreceu nas estradas de terra.

Hyundai Creta - Caderno Garagem

As viagens a bordo da versão Comfort tornam-se mais agradáveis graças ao bom nível de equipamentos de série. Embora seja a versão de entrada do Creta, ela já oferece uma série de itens interessantes. A lista inclui monitoramento de pressão dos pneus, airbags de cortina, controles de estabilidade e tração, câmera traseira para manobras e sistema Isofix para fixação de cadeirinha infantil.

Na estrada, basta acionar o controle automático de velocidade para ter uma jornada ainda mais tranquila, sem precisar se preocupar com o pedal do acelerador. Assim, o motorista poderá curtir os novos bancos envolventes, a central multimídia BlueNav, com tela de 10,25 polegadas, e toda o ambiente interno que proporciona uma viagem tranquila.

Depois de se assustar com o design do carro, bastar alguns quilômetros ao volante dele para concluir que, felizmente, as aparências enganam.

Hyundai Creta - Caderno Garagem