Tecnologia da Ford reduz velocidade dos carros em áreas de restrição

Marca faz testes com o geofencing na Europa, que ajuda na diminuição do trânsito e na segurança dos pedestres

FordGEOFENCING - Caderno Garagem

A Ford está testando uma nova tecnologia na Europa que mostra como a conectividade é capaz de melhorar o trânsito das grandes cidades. Chamado de geofencing, ou delimitação virtual de área, o recurso permite que os carros automaticamente reduzam a velocidade quando entram em zonas de restrição, como nas proximidades de escolas, hospitais ou centros comerciais.

Se não bastasse aumentar a segurança no trânsito, a funcionalidade evitará multas por excesso de velocidade. Outro benefício é deixar o visual das cidades mais limpo, sem tantos sinais de trânsito, que muitas vezes são confundidos no cenário urbano ou encobertos por árvores.

Atualmente, todos os carros da Ford no Brasil são equipados de série com um modem embarcado, que permite a comunicação remota com o aplicativo FordPass, ou com outros recursos que venham a ser incorporados ao sistema.

FordGEOFENCING - Caderno Garagem

“A tecnologia de veículos conectados torna o trânsito mais fácil e seguro para todos e não só para quem dirige”, afirma Michael Huynh, gerente de soluções urbanas da Ford Europa. “A geofencing permite que as velocidades diminuam para melhorar a segurança e criar um ambiente mais agradável.”

A tecnologia da Ford utiliza o rastreamento por GPS e troca de dados para reduzir a velocidade do veículo, ao ingressar numa zona georreferenciada. O motorista é informado do novo limite por uma luz piscante no painel e pode desativar o sistema a qualquer momento.

A criação de zonas com velocidade máxima de 30 km/h é considerada uma das principais medidas para reduzir o risco aos pedestres, pois os motoristas têm mais tempo de reação e a velocidade de possíveis impactos é menor. Na Europa, cerca de 30% das vítimas das mortes no trânsito são pedestres e ciclistas.

FordGEOFENCING - Caderno Garagem

As tecnologias de assistência ao motorista, como o piloto automático adaptativo, ajudam o motorista a não exceder os limites de velocidade, porém, segundo a montadora, o controle de velocidade por geofencing é potencialmente mais flexível e eficaz.

Nos testes realizados em Colônia (Alemanha), a Ford usa duas vans elétricas E-Transit para analisar o impacto da limitação de velocidade na melhoria do tráfego e redução de acidentes. O teste de 12 meses abrange todas as zonas de 30 km/h no centro de Colônia e zonas selecionadas de 50 km/h e 30 km/h no resto da cidade.

Outras pesquisas recentes nas estradas incluem a tecnologia de semáforos conectados, que podem se tornar verdes automaticamente para ambulâncias, bombeiros e veículos da polícia, e alertas sonoros ao motorista, advertindo sobre a aproximação de pessoas e objetos.

No futuro, os motoristas poderão definir suas próprias zonas de geofencing com velocidades de até 20 km/h, inclusive em depósitos e áreas particulares, ou mesmo de forma dinâmica, considerando os perigos locais, obras na estrada e hora do dia.

A Ford também está se valendo do geofencing para melhorar a qualidade do ar nas cidades, programando modelos híbridos para funcionar automaticamente no modo elétrico ao entrar em zonas de baixa emissão.