Mobi surpreende ao liderar vendas de abril

Subcompacto da Fiat vendeu 12 unidades a mais que Hyundai HB20; Strada passeia entre os comerciais leves

O mercado automotivo é capaz de pregar peças importantes em seus balanços mensais. Foi o que aconteceu em abril: o subcompacto Mobi terminou o mês como o modelo mais vendido do Brasil. Sim, o carrinho da Fiat, que muitos consideravam morto, renasceu e emplacou 6.861 unidades, apenas 12 a mais que o Hyundai HB20.

Os números configuram empate técnico, mas não importa. O Mobi ostenta o topo do ranking e isso é surpreendente. Jeep Renegade (6.634) e Volkswagen Gol (6.420) ocupam a terceira e a quarta posição, respectivamente, ao passo que o até então imbatível Chevrolet Onix aparece em quinto (6.402).

O Onix ainda parece se ressentir da paralisação de sua produção por falta de componentes e o Mobi surfa na boa fase da Stellantis que, a partir do momento de sua criação, vem dando atenção especial a todas as suas marcas e seus produtos. O Mobi custa a partir de R$ 42.000 e ataca o púbico que deseja pagar menos por um carro 0 km, além da estratégia das vendas diretas.

Em abril, a Fiat fez barba, cabelo e bigode, porque a picape Strada lidera o ranking dos comerciais leves (12.581 emplacamentos), quase o dobro que a irmã Toro (6.682) que, por sua vez, também vendeu duas vezes mais que a Toyota Hilux (3.373).

Se o Onix foi desbancado em abril, no consolidado dos primeiros quatro meses de 2021 ele segue na frente, com 35.160 unidades. Completam o pódio Hyundai HB20 (30.512) e Jeep Renegade (25.744), posição quase ao alcance do redivivo VW Gol (25.433).

Entre a paparicada categoria dos SUVs, o Jeep Renegade – que havia perdido terreno para o irmão Compass – reagiu e ocupa o primeiro lugar no quadrimestre. O Chevrolet Tracker vem provando que a reestilização lhe fez bem e mantém o segundo posto, com 21.420 licenciamentos, com pequena vantagem sobre o Compass (20.609).

Entre automóveis de passeio e comerciais leves, abril registrou a venda de 163.903 unidades, volume 7,5% inferior que março, mas, por outro lado, 219% superior que o mesmo mês do ano passado, quando o consumidor brasileiro não abriu a carteira para nada, com medo da Covid-19 que varria (e ainda vem varrendo) o país. Já no acumulado do ano, as 661.757 unidades superam em 13% o volume de vendas de 2020.

Com o desempenho de Mobi, Strada e Toro, a Fiat é a fabricante com maior participação de mercado na soma do primeiro quadrimestre, com 21%. Volkswagen (17,2%) e General Motors (14,5%) aparecem em seguida. A Ford, outrora uma das quatro grandes, amarga a 10ª posição, com 3% de participação.