Avaliação: HB20 S leva muita bagagem, mas bebe demais

Sedã da Hyundai na versão TGDI Diamond é bem equipado e comporta 475 litros de bagagem. O consumo, porém, decepciona

 

Quando se fala em sedã no mercado brasileiro, o Toyota Corolla é sempre lembrado como se fosse um dos poucos representantes dessa categoria de automóvel. Mas há uma outra casta de três-volumes que disputa a preferência dos consumidores que frequentemente viajam com a família e precisam de bom espaço no porta-malas: a dos sedãs pequenos – segundo classificação da Fenabrave (Federação Nacional de Distribuição de Veículos Automotores).

Considerados portas de entrada dos sedãs vendidos no país, eles misturam projetos mais recentes (Fiat Cronos) com outros bem antigos (VW Voyage, o líder de vendas, Fiat Siena e Ford Ka). Alguns concorrentes, porém, passaram por reformulação para ganhar competitividade.

É o caso do Hyundai HB20 S, avaliado por GARAGEM na versão TGDI Diamond. A exemplo da versão hatch, ele estreou a segunda geração em 2019, ganhando uma grade dianteira bem estranha e que deixou o público meio ressabiado. A traseira – com laternas bipartidas — agradou um pouco mais.

O TGDI Diamond é equipado com motor 1.0 três cilindros, de 120 cv de potência e 17,5 kgfm de torque. Segundo a fabricante, ele pode rodar 8,8 km/l na cidade e 11 km/l na estrada com etanol no tanque e, respectivamente, 12,7 km/l e 15,7 km/l abastecido com gasolina. A velocidade máxima chega a 191 km/h e a aceleração de 0 a 100 km/h é completada em 10,7 segundos. O conjunto mecânico inclui o câmbio automático de seis marchas.

Mas, durante nossa avaliação, o consumo com etanol ficou muito aquém do anunciado pela marca. Em circuito misto, o HB20 S registrou a média de 6,4 km/l, número que obriga o consumidor a parar com mais frequência na bomba de combustível para encher o reservatório de 50 litros.

Um dos grandes propósitos de um sedã é ter porta-malas capaz de transportar toda a bagagem da família. O HB20 S faz bonito nesse aspecto. Com capacidade de 475 litros, ele comporta muitas malas e objetos maiores.

Para efeito de comparação, o tamanho do compartimento do Corolla (de segmento superior) é cinco litros menor. Para quem está acostumado a sempre pegar a estrada, o sedã da Hyundai é um belo companheiro de viagem, exceto pelo fato de ser beberrão. Mas ao menos leva muita bagagem.

Sedã bem equipado

Com 4,26 metros de comprimento, 1,72 m de largura, 1,47 m de altura e 2,53 m de distância entre-eixos, o Hyundai HB20 S TGDI Diamond acomoda com conforto dois adultos no banco traseiro. Um terceiro elemento já causa certo desconforto durante o percurso.

Não é fácil explicar como um sedã compacto pode custar R$ 83.000 nessa versão. A marca sul-coreana tenta fazer isso enumerando os itens de série presentes no modelo. No quesito segurança, a lista é grande.

Ele oferece cinto de três pontos para todos os ocupantes, controles de tração e estabilidade, alerta de colisão frontal, assistente de partida em rampa, sensor de pressão dos pneus, sistema Isofix para prender cadeirinha infantil, sensores de estacionamento traseiro, alerta de mudança de faixa e frenagem automática de emergência.

O conforto de motorista e ocupantes é garantido por equipamentos como ar-condicionado, direção assistida, faróis com acendimento automático, volante multifunção e controle automático de velocidade (ótimo recurso na estrada, que ajuda o motor a gastar um pouco menos de combustível ao deixar o desempenho mais homogêneo).

A central multimídia do HB20 S tem tela de sete polegadas, compatível com Apple Car Play e Android Auto e com conexão Bluetooth e entrada USB. Outro interessante trunfo do carro é o tempo de garantia oferecido pela Hyundai: cinco anos.