Cinco dúvidas sobre a instalação de acessórios no carro

Quando colocar alguns itens no veículo pode causar risco aos ocupantes

O projeto de um veículo sempre é desenvolvido levando em consideração a segurança dos ocupantes em caso de acidente e a minimização de ferimentos graves. Por isso, ao longo da evolução da indústria automotiva, as fabricantes criaram acessórios considerados indispensáveis para a proteção das pessoas, a exemplo do cinto de segurança e do airbag.

Mas uma coisa é o veículo sair da linha de montagem com os acessórios já instalados. Outra é colocá-los depois, sem respeitar os padrões de segurança estabelecidos pelas montadoras. Essa atitude pode representar riscos para a integridade de motorista e passageiros. Dessa forma, é muito importante conhecer a procedência do equipamento – se é original de fábrica ou não –, saber se o instalador está certificado e é de confiança, e se acrescentar (ou trocar) um item, não afetará a garantia do automóvel.

O Centro de Segurança e Experimentação Viária (Cesvi-Brasil) responde cinco das perguntas mais frequentes sobre o assunto. Confira:

1 – Há perigo em trocar a forração dos bancos?

Não há impeditivo em fazer a substituição, mas lembre-se que os airbags laterais são instalados na lateral dos bancos dianteiros e traseiros. A área de ruptura das bolsas não pode ser encoberta para não comprometer sua ativação quando necessário. Ao procurar um serviço de forração, certifique-se de que seja feito dentro dos parâmetros definidos pela montadora.

2 – O uso da capa massageadora implica em algum risco para o motorista?

Esse acessório é muito utilizado por taxistas, motoristas de caminhão e outros profissionais que passam horas ao volante. O suposto bem-estar relacionado ao item – de ativar a circulação sanguínea, promovendo maior conforto – não compensa diante do tamanho do risco. O menor deles é que esse acessório altera a sensibilidade do condutor, diminuindo a percepção a respeito do comportamento do carro. Além disso, em curvas e frenagens bruscas, a capa massageadora afeta a retenção do motorista junto ao banco, reduzindo a eficiência do cinto de segurança. Pior: em caso de acidentes de alto impacto, as bolinhas responsáveis pela massagem podem se soltar e ser projetadas, provocando ferimentos.

3 – Posso deixar porta-celular ou carregador no painel do carro?

Nada deve ser deixado no painel, atrás do volante, onde fica a indicação com a sigla “airbag”. Em caso de acionamento das bolsas infláveis, esses objetos serão arremessados com força contra os ocupantes do veículo, podendo causar lesões sérias.

4 – É arriscado fazer customização no veículo?

Depende do grau de customização que o motorista quer. Mexer na pintura não reflete na segurança, ao passo que rebaixar o automóvel prejudica o desempenho da suspensão, da carroceria e dos pneus. E mais: ela deixa o automóvel mais rígido e desconfortável por falta de amortecimento. O ideal é que as customizações sejam feitas de forma legal, com base na resolução 479/2014 do Denatran.

5 – Farol xenônio melhora a visibilidade?

Atualmente, o xenônio só é permitido desde que saia como item de fábrica e, mesmo assim, perdeu muito espaço para a tecnologia LED, mais eficiente e barata. O xenônio não pode ser instalado como acessório porque era muito comum o produto não original desrespeitar às normas do Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia). Assim, foi proibido pelo Denatran. Ao contrário do que muitos motoristas imaginam, quando está desregulado, esse farol pode provocar ofuscamento da visão e isso é um grande perigo principalmente à noite. Segundo estudos, quem vem em sentido contrário fica de um a três segundos com a visibilidade prejudicada – tempo suficiente para causar um acidente grave.