Importadora Ford traz o Mustang Mach 1 por quase R$ 500.000

Quarta geração do superesportivo chega em edição limitada e herda elementos dos icônicos Bullitt, Shelby GT350 e Shelby GT500

Acostume-se: uma das quatro grandes montadoras do Brasil – pioneiras na chegada ao país no crescimento da indústria automotiva – virou importadora, como GARAGEM já noticiou. Por isso, será comum você ler aqui que a Ford vai trazer esse e aquele modelo. A bola da vez chama-se Mustang Mach 1, considerado pela marca como o Mustang V8 5.0 mais preparado para as pistas de todos os tempos.

Produzido em edição limitada, o Mach 1 custa R$ 499.000, entra no lugar da versão Black Shadow e as entregas começam a partir de junho.

O Mach 1 não é novo, ao contrário. Lançado em 1969, ele tinha a proposta de fazer a ponte entre Mustang GT e o Shelby. O nome do carro, que é a medida padrão da velocidade do som (1.235 km/h), se justificava: o Mach 1 estabeleceu 295 recordes de velocidade e resistência.

Mach-1_1969
Primeira geração do Ford Mustang Mach 1, de 1969

Hoje, ele seria capaz de desafiar novos recordes. O conjunto composto pelo motor Coyote 5.0 V8 e pela transmissão automática de dez velocidades recebeu calibração exclusiva, gerando bônus de 17 cv de potência.

Assim, o Mach 1 entrega 483 cv (a 7.250 rpm) e 56,7 kgfm de torque (a 4.900 rpm). Em sua quarta geração, o Mach 1 acelera de 0 a 100 km/h em 4,3 segundos e alcança 250 km/h de velocidade máxima, limitada eletronicamente.

“Com a recalibração e o novo conversor de torque, as trocas de marchas ficam mais rápidas e precisas, deixando o Mach 1 muito ágil nas pistas e agradável na cidade, em baixo giro”, afirma Alexandre Machado, diretor de Engenharia da Ford América do Sul.

O superesportivo ganhou duas reestilizações, em 1974 e 2003, e volta agora em grande estilo 18 anos depois. Na apresentação de lançamento, a Ford mostrou que o Mach 1 herda vários componentes dos modelos Bullitt, Shelby GT350 e Shelby GT500, como sistema de arrefecimento do diferencial traseiro e radiador da transmissão. Trata-se do primeiro Mustang com o aplicativo FordPass Connect para controle remoto de algumas de suas funções. 

O FordPass Connect dá acesso a informações e comandos do veículo pelo celular, como travar e destravar as portas com apenas um toque ou entrar sem a necessidade de chave.

Remotamente, também é possível dar a partida e ligar o ar-condicionado para deixar o interior na temperatura ideal. O sistema envia notificação de alarme em tempo real e mostra a localização do veículo. Outra vantagem é o monitoramento que avisa se há algum pneu com pressão baixa.

Se não bastassem as peças vindas do Bullit e do Shelby, o Mustang Mach 1 exibe referências históricas, começando pela faixa preta com friso colorido no capô e nas laterais. A grade dianteira tem o famoso emblema do cavalo no centro e dois grafismos redondos, que remetem aos faróis auxiliares do modelo de 1969.

Na traseira, o discreto aerofólio se junta ao difusor com recortes triangulares e as quatro ponteiras de escapamento integradas, trazidos do Shelby GT500. As tradicionais lanternas de três seções são interligadas por uma faixa preta, com a assinatura Mach 1 no centro.

Embora longe do olhar de motorista e passageiros, o assoalho tem a função aerodinâmica de direcionar o fluxo de ar para refrigeração do motor, da transmissão e dos freios quando o carro trabalha no limite.

Na cabine, a placa colada no painel identifica o número de cada unidade, enfatizando a exclusividade do carro. A cabine, bastante ergonômica, guarda forte influência aeronáutica Os comandos na direção e no painel, o painel de instrumentos digital, o câmbio e o console central fazem alusão à fuselagem de avião.

Os bancos são uma referência ao primeiro Mach 1, com recortes horizontais e um detalhe de cor contrastante no encosto. O revestimento de couro é perfurado para servir ao sistema de aquecimento e resfriamento.

O piloto do Mustang Mach 1 dispõe de sete modos de direção: Normal, Esportivo, Esportivo+, Pista, Drag, Neve/Molhado e My Mode. Eles ajustam as configurações do superesportivo para alcançar o melhor desempenho de acordo com as condições de uso.

Por meio de um comando no painel, eles alteram os parâmetros de velocidade da troca de marchas, resposta do acelerador, atuação dos freios com ABS, controle de estabilidade, ajuste da direção, suspensão adaptativa e ruído do escapamento.

Os recursos de segurança agregam alerta de colisão com detecção de pedestres e frenagem de emergência, assistente de permanência em faixa e alerta de fadiga, oito airbags (frontais, de cortina, joelhos e tórax), controles eletrônico de estabilidade e tração, assistente de partida em rampa, câmera de ré com sensor de estacionamento, farol alto automático e sensor de chuva.