Grupo BMW utiliza tintas feitas a partir de biorresíduos

Empresa afirma que a nova tecnologia permite reduzir emissões em até 40%

Novo i4 M50 com pintura azul e fosca - Caderno garagem
A pintura fosca do novo i4 M50 é feita com material sustentável

Em nova ação para reduzir as emissões de CO2 na atmosfera durante os processos de fabricação de seus carros, o grupo BMW passou a adotar um novo tipo de pintura das carrocerias de seus modelos. De acordo com o comunicado oficial, a empresa é a primeira fabricante de automóveis do planeta a utilizar tintas foscas produzidas a partir de biomassa em vez de petróleo em suas unidades localizadas na Europa. As plantas do grupo em Leipzig (Alemanha) e Rosslyn (África do Sul) ainda usam um sistema anticorrosão também obtido de maneira sustentável.

Ainda segundo o grupo BMW, as novas tintas foscas utilizam matéria prima renovável, como biorresíduos ou material obtido a partir de estações de tratamentos de efluentes. A economia conseguida com esse processo – certificado por uma auditoria independente – pode chegar a mais de 15 mil toneladas de CO2 até 2030, garante a montadora alemã.

Processo de pintura da BMW - Caderno Garagem
Redução de CO2 no processo de pintura pode ser reduzido em 40%

“Ao reduzir o uso de matérias-primas fósseis, podemos conservar os recursos naturais e reduzir as emissões de CO2 ao mesmo tempo”, afirmou Joachim Post, executivo do grupo BMW responsável por compras e fornecedores. “As tintas inovadoras baseadas em matérias-primas renováveis são um passo importante nessa direção”, acrescentou.

Resíduos orgânicos em vez de recursos fósseis

A responsável pelo desenvolvimento do inovador processo de pintura é a Basf, fornecedora do grupo BMW, e segundo ela, a nova tecnologia possibilita a substituição de material derivado do petróleo, como a nafta, por matérias-primas renováveis obtidas a partir de resíduos orgânicos, desde os estágios iniciais da produção de tintas. Isso não apenas reduz o consumo de recursos fósseis, como evita as emissões de CO2 associadas à produção, transporte e processamento de petróleo bruto.

Carroceria da BMW sendo revestida com biomassa anti-corrosão - Cederno Garagem
O novo revestimento anticorrosão usa biomassa como matéria-prima

Vale observar que a proteção contra corrosão e as tintas foscas usadas nas fábricas do grupo BMW Group em Leipzig e Rosslyn são quimicamente idênticas às tintas usadas anteriormente, apresentando as mesmas propriedades dos revestimentos de carroceria fabricados convencionalmente. Como os revestimentos de base biológica e convencionais são produzidos na mesma linha, a Basf adota uma abordagem de balanço de massa certificada externamente.

A quantidade de tinta adquirida pelo grupo BMW é calculada para ser exatamente equivalente à quantidade de bionafta e de biometano que seriam necessárias para uma produção 100% livre de petróleo. O processo de fabricação sustentável reduz as emissões de CO2 da produção de tintas em mais de 40%. As duas fábricas do BMW Group em Leipzig e Rosslyn produzem uma média de cerca de 250 mil veículos por ano.