Dacia quer ser mais agressiva na Europa

Com mais autonomia da Aliança Nissan-Renault, marca planeja lançar SUV derivado do protótipo Bigster Concept

Durante a apresentação da estratégia “Renaulution”, na semana passada, a Renault aproveitou para falar também dos planos que envolvem a Dacia para os próximos cinco anos.

Com a criação da unidade de negócios Dacia-Lada, a Dacia terá condições de ganhar mais autonomia e competitividade, e avançar em outros mercados, principalmente no chamado segmento C.

O protótipo Bigster Concept é um representante desses novos tempos. “Queremos usar ao máximo a plataforma modular CMF-B, aumentando a qualidade dos nossos produtos”, afirma Denis Le Vot, CEO das marcas Dacia e Lada.

Montadora originária da Romênia, a Dacia era vista como fabricante de automóveis sem muita qualidade. Aos poucos, ela vai virando o jogo, graças também à entrada na Aliança Nissan-Renault.

Com modelo de distribuição enxuto e mais econômico, a Dacia atua em 44 países. Lá fora, carros como Sandero e Duster levam o emblema da Dacia e não da Renault, como ocorre no Brasil. Em 2021, a Dacia planeja lançar os novos Sandero e Logan, bem como o Spring, compacto 100% elétrico.

No entanto, o automóvel que pretende mexer no segmento dos SUVs é o Bigster Concept. Ele mede 4,60 metros de comprimento, é robusto e espaçoso. Na dianteira, ostenta capô alto, vincado e conjunto óptico em forma de Y, que está localizado acima do para-choque reforçado, propício para encarar trilhas de terra.

As lanternas também desenham um Y deitado e a inscrição Dacia sobressai na traseira. Segundo a marca, o utilitário esportivo receberá motorizações híbridas e toda a tecnologia necessária para brigar em igualdade de condições com os concorrentes, como Jeep Compass e Tiguan Allspace.