Os vários tipos de automóveis eletrificados

Termo cada vez mais popular (inclusive no Brasil), “carro eletrificado” refere-se a modelos elétricos e híbridos. Mas existem mais diferenças entre eles do que você pode imaginar. Conheça os detalhes de cada tipo.

Eletrificado

 

A crescente preocupação com os efeitos das mudanças climáticas em todo o mundo ajudou a tornar os automóveis eletrificados cada vez mais populares. Mas, embora muita gente já conheça os veículos elétricos e os híbridos, nem todo mundo sabe que existem diferenças entre eles. Se esse é o seu caso, confira a seguir como cada tipo de “automóvel limpo” funciona e entenda as diferenças entre eles.

Micro híbrido – Pode não parecer, mas, tecnicamente, os veículos equipados com start-stop pertencem ao primeiro nível de hibridização automotiva, pois embora o carro seja movido apenas por um motor a combustão, o alternador aproveita a energia gerada nas frenagens e nas desacelerações para alimentar o sistema start-stop, proporcionando maior economia. Exemplo: Fiat Argo

Eletrificado

Híbrido leve – Possui um sistema de recuperação de energia com um novo tipo de alternador e conjunto elétrico de 48V, com o qual o carro consegue se mover usando apenas eletricidade por um breve intervalo ou ter uma potência extra durante alguns segundos para ultrapassagens, por exemplo. A energia é armazenada em uma pequena bateria de íons de lítio. Exemplo: Mercedes-Benz C 200 EQ Boost.

Eletrificado
Mercedes Benz C 200 EQ Boost tem potência extra por 14 segundos

Híbrido em série – Conta com dois sistemas propulsores, um a combustão e um elétrico e é movimentado apenas por este. Mas, como o nome indica, os dois motores estão ligados em série, e assim, o sistema a combustão entra em ação para alimentar a bateria de acordo com a necessidade. Exemplo: Chevrolet Volt.

Híbrido em paralelo – Este é o tipo mais popular de sistema híbrido, no qual o automóvel pode ser movido tanto pelo conjunto a combustão quanto pelo elétrico ou por ambos ao mesmo tempo. Geralmente, cada sistema move um eixo, trabalhando paralelamente, daí o nome. Exemplo: Honda Insight.

Híbrido misto – Tem o sistema mais complexo (e por isso, o mais eficiente, na opinião de alguns especialistas), com uma central eletrônica que analisa diversos parâmetros e escolhe qual o tipo de propulsão mais vantajoso para cada situação (100% elétrica ou com o auxílio do motor a combustão). Exemplo: Toyota Prius.

Híbrido Plug-In – Suas vantagens estão no fato de poder ser recarregado por tomada externa, como um modelo 100% elétrico e, principalmente, por ter maior autonomia que um híbrido convencional. Também possui sistema de regeneração de energia (usado em frenagens e desacelerações), como os demais híbridos. Exemplo: Volvo XC90 Plug-In Hybrid

Híbrido flex – Sistema utilizado exclusivamente no Brasil e, por enquanto, apenas pela Toyota. Baseado no sistema híbrido misto do Prius, a montadora japonesa desenvolveu um conjunto usando o motor flex, que pode ser abastecido com etanol, combustível renovável que produz impacto ambiental muito menor que a gasolina ou o diesel. Exemplo: Toyota Corolla Hybrid

Híbrido com célula a combustível – Sua principal diferença está na célula (ou pilha) a combustível que utiliza hidrogênio pressurizado para produzir a eletricidade que move o carro. A maior vantagem está no fato de seu escapamento emitir somente vapor d’água, já a desvantagem é que depende de uma rede de abastecimento de hidrogênio para ser viável. Exemplo: Toyota Mirai.

Eletrificado
Com célula a combustível, o Toyota Mirai só emite vapor d’água pelo escampamento

Elétrico “puro” – Tem o princípio mais simples, já que o carro possui uma bateria que é carregada por tomada externa e alimenta um (ou mais) motores elétricos. Graças a sistemas de regeneração de energia, consegue estender a autonomia utilizando eletricidade produzida nas frenagens e nas desacelerações. Exemplo: Nissan Leaf.

Eletrificado
Nissan Leaf é um elétrico puro

Elétrico com extensor de autonomia – É um veículo elétrico puro que possui um motor a combustão cuja única função é gerar eletricidade, garantindo maior autonomia. Ou seja, o carro é movido somente pelo motor elétrico. Exemplo: BMW i3 REX.